Absurdo

Pacientes são flagrados amarrados e dopados em hospital psiquiátrico de MT: ''Tratamento cruel e desumano''

Pacientes ficaram amarrados em macas quase o dia inteiro. Relatório afirma que pacientes mulheres foram ''desconfiguradas de sua condição de seres humanos''.

Fonte:MT Agora - G1 MT
27 de Outubro de 2017 as 22h 18min

Fiscais flagram pacientes amarrados e dopados no Hospital Psiquiátrico Adauto Botelho, em Cuiabá (Foto: MNPCT)

Pacientes amarrados, dopados, falta de estrutura e banheiros sem porta foram algumas das irregularidades encontradas durante uma inspeção no Hospital Psiquiátrico Centro Integrado de Assistência Psicossocial (CIAPS) Adauto Botelho, em Cuiabá. A vistoria foi feita por peritos do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT), ligado ao Ministério dos Direitos Humanos, entre os dias 13 e 21 de julho de 2017.

A inspeção também foi feita no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Sinop, a 503 km de Cuiabá.

De acordo com o levantamento, o Hospital Adauto Botelho não preza pela individualidade dos pacientes, tampouco a um tratamento dentro dos parâmetros legais. Para o MNPCT, o local ‘funciona, em outras palavras, como um grande depósito de pessoas – acomodadas da maneira possível, sem qualquer tipo de individualização’.

Em geral, a equipe classificou o tratamento oferecido no local como “cruel, desumano e degradante”.

O hospital público, atualmente com 70 pessoas, foi fundado em 1957 e é ligado à Secretaria Estadual de Saúde do Mato Grosso (SES-MT). Na instituição, é feito o acolhimento de pessoas em crise (encaminhadas pela rede de saúde e que, em tese, ficam em observação por um período curto de tempo) e moradores que estão em longo tempo de internação. No momento da vistoria haviam 65 pessoas internadas na instituição.

Pacientes amarrados

A situação mais grave encontrada pela equipe ocorreu na ala destinada às pessoas em acolhimento de crise. Conforme o relatório, era por volta de 9 horas e a equipe se deparou com duas pessoas (um homem e uma mulher), amarradas pelo peito, mãos e pés, dormindo em função do uso de medicação.

“A justificativa apresentada por uma das enfermeiras para o uso daquela contenção física e química seria o fato dos pacientes estarem agitados. A profissional afirmou, contudo, que aquela situação seria provisória e que ambos sairiam daquelas condições nos próximos minutos”, diz trecho do documento.

A mesma equipe retornou no período da tarde e encontrou os mesmos pacientes, além de um terceiro paciente, nas mesmas condições vistas pela manhã.

“Ao retornarem, já por volta das 14h30, a equipe se deparou com a manutenção da situação encontrada no início da manhã: os mesmos pacientes amarrados, sob efeito de medicamentos – aparentemente, incapazes de esboçar qualquer reação agressiva – além de outra mulher, que chegara para internação no período da manhã, totalizando, portanto, três pessoas nessas condições. Uma das internas, embora tenha despertado com a chegada da equipe na sala, imediatamente voltou a dormir. Já o homem – que aparentava ser uma pessoa idosa –, estava acordado”, pontuaram os fiscais.

A equipe iniciou um diálogo com esse homem. Ele relatou que teria sido internado no dia anterior e que, em razão de estar “bravo”, por não aceitar a internação involuntária, ele teria sido amarrado e medicado. O paciente disse, ainda, não saber o motivo pelo qual, um dia depois de sua chegada, ainda permanecia com peito, pés e mãos amarrados, uma vez que não teria manifestado qualquer reação agressiva.

Após esse diálogo, a equipe foi ao encontro da médica plantonista para questionar o motivo clínico para a manutenção de pessoas amarradas por período tão largo de tempo.

A médica de plantão disse que não teria sido a responsável por designar a ‘contenção mecânica’ e química daquelas pessoas, e que o procedimento teria sido realizado no plantão do dia anterior, atestando o longo período no qual aquelas pessoas estavam sendo mantidas amarradas.

A profissional não soube justificar clinicamente os motivos pelos quais seria necessário manter os pacientes, até aquele momento, amarrados. Disse que a justificativa apresentada pelo médico anterior seria o suposto estado de agitação daquelas pessoas e que, a partir dessa informação, não teria revertido a decisão de mantê-los contidos.

A inspeção identificou que a instituição apresenta uma infraestrutura precária – retratada, por exemplo, na pouca circulação de ar nos quartos, na inexistência de chuveiros na maioria dos banheiros e na utilização de macas como cama.

“Foi possível constatar, ainda, uma naturalização do descaso para com as pessoas internadas, até mesmo com ausência de portas nos banheiros dos três blocos visitados. O nível de exposição, somado à vulnerabilidade das pessoas que ali estavam, é grave”, alerta o relatório.

Vulnerabilidade de mulheres

Ao conversar com profissionais do hospital, a equipe percebeu que não há na instituição um tratamento que respeite especificidades de gênero. Toda a ala feminina é pintada de cor mais clara, em tom mais rosado, enquanto que a ala destinada aos homens é pintada de verde, o que identificaria as mulheres a uma feminilidade docilizada.

“Sendo que para as mulheres é ofertada uma aula de culinária e um salão de beleza, enquanto que para os homens não há a possibilidade de realização dessas atividades. Nesse sentido, atribui-se às mulheres, ou tarefas típicas da vida doméstica, ou aquelas vinculadas à aparência física, reforçando papéis tradicionais de gênero que deveriam ser questionados e não reforçados”, salientou o relatório.

No dia da vistoria, a equipe percebeu que a presença de profissionais homens é comum na ala feminina, inclusive de homens que não trabalham na instituição. Os banheiros femininos não têm portas, o que as deixam em situação constrangedora, de humilhação e extremamente vulneráveis a sofrer violência sexual, na avaliação dos profissionais.

“No dia da visita havia alguns homens, responsáveis por reparos no hospital, circulando livremente na ala destinada às mulheres, sendo que elas usavam o banheiro e, portanto, ficavam nuas diante desses homens. Esta situação era tratada como completamente normal, sem qualquer tipo de preocupação ou estranhamento, por parte dos servidores do hospital. Esta naturalização pode demonstrar uma propensão à ocorrência de violência sexual e, até mesmo de estupro”, alertou a equipe.

Ao final do relatório, a equipe diz que “o que pode ser percebido é que essas mulheres foram desconfiguradas de sua condição de seres humanos dentro do hospital psiquiátrico Adauto Botelho, seus corpos estavam à disposição da instituição, como se não mais lhes pertencessem”.

Outro lado

O diretor do Hospital Adauto Botelho, João Botelho, disse ao G1 que algumas melhorias e reformas já estão sendo feitas na unidade. Um processo de licitação para uma reforma está em andamento. A respeito da situação de pacientes amarrados ou dopados, ele alegou que os profissionais seguem um protocolo de ‘contenção’.

“Há necessidade de preservar a estrutura física do paciente, mas isso tudo tem um protocolo. Existem imprevistos, tem pessoas que precisam de um olhar diferenciado e uma responsabilidade diferenciada. São pessoas totalmente vulneráveis”, comentou Botelho ao G1.

Botelho afirma que os pacientes encontrados amarrados, no dia da fiscalização, foram contidos em horas determinadas e não em um longo período de tempo. Em relação à ausência de portas, o diretor garantiu que o problema já está sendo resolvido, com a instalação das estruturas sem fechaduras.

“O problema é que são poucas unidades terapêuticas [para atender os pacientes], as famílias não os aceitam mais e [os pacientes] acabam morando no Adauto por anos. Também temos problema em devolver os pacientes, as prefeituras não se comprometem em recebê-los de volta”, criticou o diretor. A unidade recebe pessoas da capital e do interior do estado.


COMENTARIOS

Mais de Estado

Sífilis

Mato Grosso registrou 8,5 mil casos de sífilis entre 2015 e 2019

Por meio do teste rápido, é possível diagnosticar a infeção sexualmente transmissível, que tem tratamento e cura.

23 de Fevereiro de 2020 as 10h21

Substituição

Presidente do TCE substitui dois conselheiros após STF manter afastados 5 titulares acusados de corrupção em MT

Segundo o TCE, as trocas foram feitas para garantir a todos os conselheiros a oportunidade de atuar no Tribunal Pleno.

23 de Fevereiro de 2020 as 10h06

Carnaval 2020

Mais de 50 mil passageiros devem passar pelo Aeroporto Marechal Rondon em MT durante o carnaval

Fluxo de passageiros nesse período é 20% maior. A recomendação nesse período de grande fluxo é que os passageiros se programem para chegar mais cedo.

23 de Fevereiro de 2020 as 10h02

Cultivo de Maconha

Sitiante é preso suspeito de cultivar maconha em terreno em MT

Além dos pés de maconha, foram encontradas drogas prensadas. Suspeito afirmou à polícia que é para consumo próprio.

20 de Fevereiro de 2020 as 14h38

Investigação

Padre é investigado pela polícia por suspeita de importunação sexual a duas mulheres em MT

Inquérito foi aberto depois que as mulheres procuraram a polícia para denunciar que tinham sido vítimas do padre.

20 de Fevereiro de 2020 as 14h35

Vagas de Emprego

Estão abertas 859 vagas de empregos pelo Sine em MT; oportunidades estão em 28 municípios

Estão abertas 859 vagas de empregos pelo Sine em MT; oportunidades estão em 28 municípios

20 de Fevereiro de 2020 as 09h25

Sem Alvará

Justiça manda fechar academia que não possui alvará nem profissional habilitado em MT

A academia continuava sem a presença de profissional habilitado em período integral de funcionamento.

20 de Fevereiro de 2020 as 09h13

Denuncia

Associação de Fabricantes de Placas denuncia Detran-MT por supostas irregularidades no novo sistema de emplacamento padrão Mercosul

Segundo a entidade, a resolução do Conselho Nacional de Trânsito sobre a implantação das novas placas teria sido descumprida.

20 de Fevereiro de 2020 as 09h10

Assalto

PM preso suspeito de assaltar agência de Correios é investigado por abusar de adolescente de projeto social

Vítima era aluna do projeto social 'Luz do Amanhã', comandado pela própria Polícia Militar. O objetivo do projeto, o qual Edmilson também trabalhava, é tirar crianças e adolescente das ruas.

19 de Fevereiro de 2020 as 14h38

Prisão

Marido é preso suspeito de matar e enterrar corpo de mulher no quintal de casa em MT

Simone Ferreira estava desaparecida desde o dia 31 de janeiro. Suspeito disse à polícia que bateu a cabeça da mulher contra a parede durante uma briga do casal e depois a enterrou no quintal.

19 de Fevereiro de 2020 as 14h32

Roubo

Idoso é roubado e agredido por três travestis em região de prostituição em MT

Com uso de facas, elas ameaçaram de morte a vítima e levaram celular e carteira. Dois suspeitos foram presos.

19 de Fevereiro de 2020 as 14h30

Prisão

Mãe denuncia creche após filha de 2 anos voltar para casa com hematomas em Cuiabá

A Polícia de Rondônia registrou o homicídio em uma lanchonete, na BR 364, na cidade de Presidente Médici.

18 de Fevereiro de 2020 as 15h14

Denuncia

Mãe denuncia creche após filha de 2 anos voltar para casa com hematomas em Cuiabá

Segundo a mãe, ela matriculou a filha neste ano para trabalhar, mas agora precisa ficar em casa para cuidar da menina.

18 de Fevereiro de 2020 as 15h08

Roubo

Ladrões rendem funcionários e clientes de loja de eletrodomésticos em Cuiabá

Um dos suspeitos armados se rendeu e foi preso. O segundo envolvido fugiu e está sendo procurado pela polícia, com a ajuda do helicóptero do Ciopaer.

18 de Fevereiro de 2020 as 15h01

Corpo Encontrado

Pescadores encontram corpo de homem no Rio Vermelho em MT

A Polícia Militar, Civil, e peritos da Politec estiveram no local.

18 de Fevereiro de 2020 as 14h56

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO