Inovação

Venda de carro com motor elétrico começa o ano em alta

Nos dois primeiros meses do ano, foram vendidos 154 carros híbridos – um terço do total emplacado no ano passado. Em 2013, venda foi quatro vezes maior do que no ano anterior

27 de Março de 2014 as 12h 10min

O número crescente de vendas de veículos híbridos – abastecidos com energia elétrica e combustível – começa a chamar a atenção do mercado. Embora o número de emplacados ainda seja irrisório, a curva é clara. Até fevereiro deste ano, foram licenciados 154 híbridos, o equivalente em 31,3% do total de emplacamentos realizados em todo o ano passado. Em 2013, por sua vez, as vendas foram quatro vezes maiores que em 2012, chegando a 491 veículos emplacados.

Agora, o setor aguarda a aprovação de um pacote de estímulos, principalmente tributários, para favorecer a importação desses veículos – mais econômicos, mais sustentáveis e mais caros. Muito mais caros. Hoje, o consumidor não tira um desses carros da concessionária com menos de R$ 100 mil, o que coloca a tecnologia híbrida ainda mais longe das ruas.

O pacote de estímulos é uma esperança de barateamento do veículo, a princípio por conta das desonerações. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) espera uma redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para estes importados, que hoje chega a 33%.

A questão é que não é possível escalar a importação com modelos tão custosos. Montar o veículo aqui, então, é um sonho ainda mais distante. “O volume de vendas ainda é o principal obstáculo para que essa tecnologia chegue de verdade ao Brasil”, diz Rene Martinez, sócio da consultoria EY para o setor automotivo.

Para Martinez, a maior dificuldade na adoção de uma política clara de desonerações dessas importações está justamente na capacidade interna da indústria automotiva, que já é superior ao consumo interno de veículos. “Facilitar a importação desses carros levantaria dúvidas se o mercado seria capaz de desovar essa produção”, explica. “As empresas já não estão trabalhando em capacidade total. Tempos novas marcas adicionando plantas e mais capacidade de produção. Segurar essa importação pode ter a ver com uma questão de sobrevivência aqui.”

Martinez acredita que para essa tecnologia ser viável para um número maior de consumidores, o volume de vendas é fundamental. “Desde que não haja ameaça à competitividade das indústrias nacionais, não vejo uma saída melhor para ampliar a venda dos elétricos.’

Esse pacote de incentivos deverá ser aprovado ainda em abril e terá como alvo as chamadas “novas tecnologias de propulsão”, que levam em conta elétricos e híbridos. Por ora, Ford e Toyota são os principais vendedores na categoria de híbridos, que já começa a crescer.

A japonesa Toyota, que já ocupou as ruas com modelos como o Corolla e o Etios nas ruas brasileiras, é também a mãe do Prius, primeiro híbrido do mundo. No ano passado, eles venderam 324 unidades – um terço da expectativa de mil carros, desenhada quando havia chances de aprovação do pacote de estímulo ainda em 2013. "Em geral, muitos países introduzem a tecnologia no país com incentivos temporários", conta Roberto Braun, gerente de Assuntos Governamentais da Toyota do Brasil.

No mundo, a japonesa já vendeu quase 6 milhões de unidades – a maior frota de híbridos do mundo –, entre os 20 modelos híbridos que hoje circulam nos cinco continentes. Por aqui, o Prius e Lexus CT 200h, são os modelos disponíveis.

Braun espera que a aprovação de um pacote de estímulos possa ajudar na redução dos preços desses veículos para algo menor que R$ 100 mil. “Hoje o preço dessa tecnologia está acima do poder aquisitivo do brasileiro. O cliente vai na concessionária, vê produto e na hora de comprar tem dificuldade porque seu poder aquisitivo não comporta”, afirma.

Dificilmente veremos no futuro próximo um modelo híbrido ou elétrico verdadeiramente popular. Para Braun, o ganho de escala vai baratear a tecnologia, como já aconteceu em outras partes do mundo. “Naturalmente vão ser trazidos modelos menores para cá e isso poderá tornar o produto mais acessível”, explica. Por enquanto, o Prius Acqua é o menor oferecido pela Toyota nos Estados Unidos.

Para produzir nacionalmente, só quando houver demanda. Braun não descarta a possibilidade de a montadora desenvolver a tecnologia de híbridos flex em solo nacional. “Em dois anos conseguimos produzir um carro que tem um motor elétrico e outro bicombustível”, diz.

Entre o Prius, de R$ 120 mil, e o Lexus, de R$ 150 mil, está o Ford Fusion Hybrid, por R$ 127 mil, primeiro modelo hibrido lançado no País. Somente neste modelo o volume de vendas foi 21% superior que o comercializado em 2012 – um total de 86 carros. Neste ano, entre janeiro e fevereiro, o número de unidades licenciadas 140 unidades. Atualmente ele já é o segundo mais vendido na categoria sedã grande de luxo, empatado com o Passat, da Volkswagen.

Elétricos ainda estão longe de virar realidade nas ruas
Dentro da Anfavea, quem lidera essa campanha pela aprovação do pacote de estímulos é a Nissan, fabricante do Leaf. O produto ainda não é vendido por falta de homologação, mas Anderson Suzuki, gerente da Nissan para veículos elétricos, garante que se houver algum estímulo, a empresa passará a trazer elétricos para o mercado nacional. “Sejamos sinceros, sabemos que o mercado é praticamente inexistente mesmo com os dois ou três modelos de híbridos que temos hoje”, afirma.

Por ora, a Nissan fornece tem cedido carros para taxistas e também para o Corpo de Bombeiros, de forma a tornar sua tecnologia conhecida, mesmo que o mercado ainda não esteja aberto ao assunto. “Hoje não temos volume de venda suficiente para trabalhar o Brasil como um real mercado”, diz. “Não dá para lançar o veículo sem incentivo, precisamos escalar a produção para que haja resultado.”

Se ainda não vêem sequer a possibilidade de homologar o carro no Brasil, fabricá-lo aqui é um sonho distante. Para a Suzuki, seria necessária uma venda anual de 40 mil unidades para que uma fábrica de elétricos seja posicionada em terras brasileiras. “Mas nossa intenção é operar aqui com o elétrico do mesmo jeito que fazemos em outros países”, diz.

Para a Nissan, o potencial brasileiro para os elétricos é grande – a montadora já vendeu 120 mil carros no mercado mundial. Uma outra adaptação maior, além da desoneração e da cota de importações, seria necessária: a instalação de mecanismos de infraestrutura. Com autonomia de cerca de 160 quilômetros, o Leaf demandaria uma rede pública de carregadores para os carros. Em tempos em que a ameaça de apagão está no debate, pensar em uma frota de carros elétrico definitivamente não traz o melhor cenário.

Suzuki, no entanto, minimiza essa questão. Para o executivo, o crescimento no número de postos para recarregar esses carros viria naturalmente com o aumento de demanda. “O Brasil tem a maior parte da geração de energia calcada em um sistema de origem limpa, que é a hidrelétrica”, diz. “Por isso estamos pedindo um incentivo de cinco ou seis anos, para podermos conseguir chegar ao mercado”.


MT Agora - IG

COMENTARIOS

Mais de Economia

CPF Na Nota

Estado garante que dados dos consumidores ficarão protegidos

Banco de dados será usado apenas para participação no Programa Nota MT.

15 de Julho de 2019 as 23h01

Oportunidade

Sine oferece 1.254 oportunidades de emprego em Mato Grosso

O número de vagas está disponível de acordo com a demanda das empresas cadastradas no Sine.

15 de Julho de 2019 as 22h51

Infraestrutura

Passagens aéreas devem ficar mais baratas a partir de setembro

Expectativa é que entrada de companhias estrangeiras contribua para redução dos preços.

15 de Julho de 2019 as 21h52

Política Externa

Acordo Mercosul União-Europeia vai garantir crescimento econômico de longo prazo ao Brasil

Saiba quais os maiores benefícios previstos no acordo

15 de Julho de 2019 as 21h41

Oportunidade

Confira as vagas de emprego disponíveis no Sine de Lucas do Rio Verde

Os interessados podem procurar o Sine na Galeria Central de Serviços, localizada na Av. Paraná, nº 766 S, sala 06, Centro. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7h às 11h e das 13h às 16h.

15 de Julho de 2019 as 21h17

Levantamento

Empreendedorismo cresce acima de emprego e ocupação

Novos negócios tentam inovação e solução de problemas da sociedade

14 de Julho de 2019 as 23h43

Reforma Da Previdência

Economia com reforma da Previdência deve cair para cerca de R$ 900 bi, estima secretário

Secretário de Previdência, Rogério Marinho, fez projeção após a conclusão da votação em 1º turno, no plenário da Câmara, que modificou quatro pontos do texto da comissão especial.

13 de Julho de 2019 as 21h56

Reformas

Reformas contribuem para o crescimento econômico

Secretaria de Política Econômica revisou para 0,8% a projeção para o crescimento do PIB em 2019

13 de Julho de 2019 as 21h09

Combate A Fraudes

INSS começa pente-fino em benefícios com suspeitas de irregularidades

Meta é analisar 3 milhões de pagamentos suspeitos em 18 meses

12 de Julho de 2019 as 20h26

PIB

Governo revisa para 0,8% crescimento da economia em 2019

Relatório da Economia mostra uma projeção de inflação em 3,8%.

12 de Julho de 2019 as 19h14

Oportunidade

Confira as vagas de emprego disponíveis no Sine de Lucas do Rio Verde

Os interessados podem procurar o Sine na Galeria Central de Serviços, localizada na Av. Paraná, nº 766 S, sala 06, Centro. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7h às 11h e das 13h às 16h.

12 de Julho de 2019 as 18h19

Inflação

Inflação de junho fica em 0,01%

Queda no preço de alimentos e combustíveis levou à menor taxa do ano.

10 de Julho de 2019 as 21h59

Estudo

Brasil ganhou 14 mil novos milionários em 2018, diz estudo

Grupo dos que possuem fortuna elevada subiu para 185,5 mil pessoas no país, um avanço de 8% em relação a 2017. No mundo, número de milionários caiu pela 1ª vez após 7 anos seguidos de avanço.

10 de Julho de 2019 as 21h34

Abono Salarial

Divulgado o calendário de pagamento do abono salarial PIS-Pasep 2019-2020

Pagamentos começam no dia 25 de julho e irão até junho de 2020. Quem nasceu nos meses de julho a dezembro receberá o benefício ainda no ano de 2019.

10 de Julho de 2019 as 21h07

Inflação

Inflação oficial é de 0,01% em junho, diz IBGE

IPCA acumula 2,23% no ano e 3,37% em 12 meses.

10 de Julho de 2019 as 20h51

Guia MT

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

Enquete

veja +

COTAÇÃO