Economia

União pagou R$ 303,41 bi em dívidas a estados e municípios em 2021

Dados constam do relatório de garantias honradas, do Tesouro Nacional

Fonte:EBC
27 de Janeiro de 2022 as 12h 00min

© José Cruz/Agência Brasil

Ao longo de 2021, a União pagou R$ 303,41 bilhões em dívidas atrasadas a estados, municípios, bancos federais, entidades controladas e estatais federais. Os dados constam do Relatório de Garantias Honradas pela União em Operações de Crédito, divulgado hoje (27) pelo Tesouro Nacional.

O valor representa um acréscimo de 2,5% em relação ao que foi pago em 2020, quando a União honrou R$ 296 bilhões em dívidas atrasadas. Foram R$ 112,92 bilhões em operações de crédito internas e R$ 190,48 bilhões em operações externas.

O Tesouro informou que os bancos públicos federais são os maiores credores nas operações de crédito internas. Eles concentraram 98,1% do total de operações.

A Caixa, o Banco do Brasil (BB) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) emprestaram R$ 110,74 bilhões em 2021. Os bancos privados emprestaram apenas R$ 2,18 bilhões, o que representa apenas 0,7% das operações internas.

Já os organizamos multilaterais, como o Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) entre outros respondem por 91,% das operações de crédito externas.

Juntos, esses organismos emprestaram R$ 173,27 bilhões. O Bird emprestou o maior valor R$ 81,30 bilhões; seguido pelo BID, com R$ 80,53 bilhões e o CAF com R$ 8,73 bilhões. As agências foram responsáveis por R$ 9,13 bilhões e os credores privados por R$ 8,07 das operações.

O relatório aponta ainda que, em 2021, a União pagou R$ 8,96 bilhões de dívidas de entes subnacionais. O valor é referente às dívidas de cinco estados e um município.

Os maiores valores honrados foram relativos a inadimplências com o Rio de Janeiro (R$ 4,18 bilhões), Minas Gerais (R$ 3,13 bilhões), Goiás (R$ 1,3 bilhão), Amapá (R$ 194,32 milhões), Rio Grande do Norte (R$ 156,98 milhões), além do município fluminense de Belford Roxo (R$ 1,56 milhão).

“Os valores honrados em 2021 aumentaram a necessidade de financiamento da dívida pública federal, uma vez que a União está impedida de executar as contragarantias de diversos estados que obtiveram liminares no Supremo Tribunal Federal (STF) suspendendo a execução das referidas contragarantias”, informou o Tesouro.

De acordo com o relatório, no ano passado foram contratadas 50 novas operações de crédito garantidas, sendo 40 contratos de garantia internos e 10 contratos de garantia externos.

O Tesouro disse ainda que a maioria dos contrato de operações garantidas foi realizada por município, que efetivaram 36 contratos assinados, o que representa 72% do total de contratos assinados.

Entre os mutuários, os estados apresentam a maior participação, com 77,2% (R$ 234,13 bilhões) do saldo devedor total. Os municípios e os bancos federais apresentam participação de 10,1% (R$ 30,54 bilhões) e 7,5% (R$ 22,79 bilhões), respectivamente. As entidades controladas detêm 3% (R$ 9,19 bilhões) e as estatais federais detêm 2,2% (R$ 6,75 bilhões).

O Estado de São Paulo possui o maior saldo devedor em operações de crédito garantidas, com 13,4% do total, totalizando R$ 40,72 bilhões; seguido pelo Rio de Janeiro com 12,2% do total, que totaliza R$ 37,14 bilhões.

Minas Gerais vem em terceiro, com R$ 25,69 bilhões de dívidas. A Bahia vem depois, com R$ 17.35 bilhões e em quinto lugar o Ceará, com R$ 15,25 bilhões de dívidas.

Completam a lista dos sete maiores devedores, os estados do Rio Grande do Sul, com R$ 12,17 bilhões; e Pernambuco, com R$ 11,01 bilhões. Os demais estados, juntos, somam R$ 74,78 bilhões em dívidas.

Já com relação aos município, o Rio de Janeiro aparece na frente com R$ 7,46 bilhões em dívida. Em seguida vem Manaus, com R$ 2,57 bilhões; Fortaleza, com R$ 2,26 bilhões; São Bernardo do Campo, com R$ 2,12 bilhões; e Belo Horizonte, com R$ 1,83 bilhão. Os demais municípios, juntos, devem R$ 14,27 bilhões.

Garantias

As garantias representam os ativos oferecidos pela União, representada pelo Tesouro Nacional, para cobrir eventuais calotes em empréstimos e financiamentos dos estados, municípios e outras entidades como bancos nacionais ou instituições estrangeiras, como o BID, Bird e o Banco Mundial.

Como garantidor das operações, o Tesouro é comunicado pelos credores de que não houve a quitação de determinada parcela do contrato.

Caso o ente não cumpra suas obrigações no prazo estipulado, o Tesouro compensa os calotes, mas desconta o valor coberto com bloqueios de repasses federais ordinários, além de impedir novos financiamentos.

Há casos, entretanto, de bloqueio na execução das contragarantias. Entre 2019 e 2021, diversos estados que obtiveram liminares no Supremo Tribunal Federal (STF) suspendendo a execução.


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Economia

Economia

Receita alerta para golpe do falso IOF antecipado via Pix

Estelionatários simulam liberação de empréstimos

02 de Julho de 2022 as 10h30

Economia

Nova presidente da Caixa assume cargo na terça-feira

Daniella Consentino assinou hoje o termo de posse

01 de Julho de 2022 as 21h15

Economia

Festas juninas devem movimentar este ano R$ 641 milhões em São Paulo

Eventos entre maio e julho podem recuperar resultados pré-pandemia

01 de Julho de 2022 as 19h00

Economia

Ministério reduz para US$ 81,5 bilhões projeção de superávit comercial

Apesar de queda, país deve registrar melhor resultado da história

01 de Julho de 2022 as 18h15

Economia

Rio de Janeiro reduz para 18% alíquota do ICMS sobre combustíveis

Procon fará operação para fiscalizar queda de preço nos postos

01 de Julho de 2022 as 14h30

Economia

Intenção de consumo das famílias cresce 2,9%

Na comparação com junho de 2021, expansão é de 18,8%

01 de Julho de 2022 as 11h00

Economia

Rio e União assinam acordo de recuperação fiscal

Plano não impede realização de concursos públicos

01 de Julho de 2022 as 09h15

Economia

Geladeiras devem exibir hoje nova etiqueta de eficiência energética

Etiqueta indica diferença de conumo de até 30% entre produtos

01 de Julho de 2022 as 05h45

Economia

BC admite oficialmente estouro da meta de inflação em 2022

Informação consta do Relatório de Inflação do segundo trimestre

30 de Junho de 2022 as 17h00

Economia

Rio: STF estica prazo de entrega de documentos para Recuperação Fiscal

Acordo entre estado e União deve ser assinado ainda hoje

30 de Junho de 2022 as 17h00

Economia

FGV: Quase 30% da população recebia menos de R$500 por mês em 2021

Cenário foi impactado por crises, entre elas a pandemia, diz estudo

30 de Junho de 2022 as 15h30

Economia

Sefaz avança na implantação dos Programas de Educação Fiscal junto aos municípios da região Noroeste

Objetivo é estimular e implementar atividades que incentivem a cidadania fiscal entre os cidadãos

30 de Junho de 2022 as 15h30

Economia

Indicador de Incerteza da Economia sobe 0,5 ponto em junho

Índice chegou a 116,4 pontos com impacto do componente mídia

30 de Junho de 2022 as 15h15

Economia

Micro e pequenas empresas já podem aderir ao Pronampe

Portaria com as regras para concessão do crédito foi publicada hoje

30 de Junho de 2022 as 15h00

Economia

Setor público registrou superavit de R$358 bilhões em 2021

Resultado se deve a aumento de receitas e à redução de gastos

30 de Junho de 2022 as 15h00

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO