Economia

Crise na pandemia pode afetar por nove anos salário dos brasileiros

Alerta foi feito por relatório do Banco Mundial

Fonte:EBC
20 de Julho de 2021 as 17h 00min

© Rovena Rosa/Agência Brasil

O relatório do Banco Mundial "Emprego em Crise: Trajetória para Melhores Empregos na América Latina Pós-covid-19" alerta que os efeitos da pandemia da covid-19 podem afetar, por até nove anos, os salários dos trabalhadores médios do país. 

De acordo com o documento, a crise gerada pela pandemia vai afetar o mercado de trabalho no Brasil e na América Latina por um longo período, inclusive com efeito negativo sobre empregos e salários.

"No Brasil e no Equador, embora os trabalhadores com ensino superior não sofram os impactos de uma crise em termos salariais, e sofram apenas impactos de curta duração em matéria de emprego, os efeitos sobre o emprego e os salários do trabalhador médio ainda perduram nove anos após o início da crise", diz o relatório.

O relatório aponta que essa situação vai deixar cicatrizes, como o aumento no desemprego, na informalidade e também redução dos salários.

"Na região da ALC [América Latina e Caribe], as cicatrizes são mais intensas para os trabalhadores menos qualificados, sem ensino superior", diz o documento.

O documento foi divulgado em junho, e na manhã desta terça-feira (20) um webinário (seminário pela internet) com os autores aprofundou o diagnóstico. O documento também recomenda modificações no seguro-desemprego e maior atenção às políticas de inclusão de trabalhadores informais no mercado de trabalho, especialmente no cenário pós-pandemia.

"A crise econômica gerada pela pandemia da covid-19 ressaltou a importância de renovar os instrumentos de proteção social a fim de proteger a renda contra os choques canalizados por meio do mercado de trabalho, no Brasil e no mundo”, afirma o documento.

O relatório aponta que o seguro-desemprego acaba tendo um papel limitado na proteção social aos trabalhadores, “pois aqueles que são mais afetados pelas crises econômicas, como a causada pela pandemia, a exemplo dos trabalhadores informais e autônomos formais, são inelegíveis para receber o benefício”.

Benefícios

Em 2019, no Brasil, somente 17,7% da média mensal de trabalhadores desempregados (12,6 milhões) receberam benefícios de desemprego, podendo contar apenas com o Bolsa Família para a proteção mínima da renda, quando elegíveis.

O relatório também mostra que outro ponto a ser considerado é o de que o período de pagamento do seguro no país, que varia de três a cinco meses, é inferior ao de outros países comparados. Além disso, o acesso ao benefício é um pouco mais difícil no Brasil do que em outros países. Atualmente, para ter direito ao seguro-desemprego pela primeira vez é preciso ter trabalhado com carteira assinada em 12 dos últimos 18 meses anteriores ao desligamento.

“O alto valor do pagamento inicial dos programas de desemprego, juntamente com sua curta duração, resultam em incentivos ao uso excessivo de benefícios do desemprego, mas com um apoio abaixo do ideal, que não beneficia aqueles propensos a períodos de desemprego mais longos”, diz o relatório.

O relatório destaca que também faltam políticas de apoio para auxiliar os trabalhadores que estão buscando emprego de forma autônoma.

“Para enfrentar esses desafios, serão necessárias reformas regulatórias dos atuais benefícios de desemprego e reinvestimentos das economias para desenvolver sistemas de apoio modernos que reduzam o risco moral, mas também atendam a metade menos protegida do mercado de trabalho, para quem quase nenhuma despesa é dedicada”, defende o relatório.

Uma das recomendações propostas é a de que, para melhorar a cobertura do seguro-desemprego, o período de carência para elegibilidade ao primeiro pedido seja reduzido, e a exigência para pedidos subsequentes, aumentada. Outra possibilidade é de que um menor peso de contribuição poderia ser atribuído a períodos de contribuição ininterruptos.

O documento sugere ainda a adoção de programas de seguro-desemprego para os trabalhadores autônomos formais. Alguns desses programas já existem em países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE). Esses programas, tendem a ter critérios de elegibilidade mais rigorosos do que para os trabalhadores formais assalariados, incluindo a comprovação de falência ou fechamento involuntário da empresa.


Siga MT Agora no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para entrar em nosso grupo do WhatsApp clicando AQUI e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros

COMENTARIOS

Mais de Economia

Economia

Prévia da inflação ficou em 1,20% em outubro

É a maior variação para o mês desde 1995

26 de Outubro de 2021 as 09h45

Economia

Custo da construção sobe 0,80% em outubro, informa FGV

Taxa é superior à de setembro mas inferior à de outubro de 2020

26 de Outubro de 2021 as 09h15

Economia

Copom inicia sétima reunião do ano para definir juros básicos

Expectativa é que taxa Selic suba de 6,25% para 7,5% ao ano

26 de Outubro de 2021 as 06h45

Economia

Preços de gasolina e diesel aumentam hoje nas refinarias

Litro da gasolina pura fica em R$ 3,19 em média

26 de Outubro de 2021 as 06h45

Economia

Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em junho

Também recebem hoje inscritos no Bolsa Família com NIS 7

26 de Outubro de 2021 as 05h00

Economia

Ministro diz que privatização da Petrobras ampliaria investimentos

Paulo Guedes fez declaração em evento com presidente Bolsonaro

25 de Outubro de 2021 as 19h45

Economia

Falta de material e custos impactam a indústria da construção

Situação persiste pelo quinto trimestre seguido

25 de Outubro de 2021 as 15h15

Economia

Cai tempo médio para abertura de empresas no país

Prazo era de 5 dias e 9 horas e hoje está em 47 horas

25 de Outubro de 2021 as 13h45

Economia

Juros para famílias e empresas sobem em setembro, diz BC

Taxa média para pessoas físicas no crédito livre chegou a 41,3% ao ano

25 de Outubro de 2021 as 12h45

Economia

Confiança do comércio cai 3,1% em outubro, diz CNC

Setor aponta dificuldades na performance da economia

25 de Outubro de 2021 as 11h30

Economia

Mercado prevê que taxa básica de juros feche o ano em 8,75%

Expectativa é que o Copom eleve a Selic esta semana para 7,5%

25 de Outubro de 2021 as 10h00

Economia

Governo pede abertura de crédito de R$ 9,4 bilhões para Auxílio Brasil

Proposta remaneja saldo do Bolsa Família para novo programa

25 de Outubro de 2021 as 09h45

Economia

FGV: confiança do consumidor volta a subir após dois meses em queda

Alta foi puxada pela melhora de perspectivas das famílias

25 de Outubro de 2021 as 08h00

Economia

MME reitera que horário de verão não resulta em economia de energia

Medidas adotadas são suficientes para os períodos seco e úmido

23 de Outubro de 2021 as 11h00

Economia

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em abril e maio

Benefício varia de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família

23 de Outubro de 2021 as 07h15

Busca telefônica em Lucas do Rio Verde - MT

ENQUETE

veja +

COTAÇÃO